Mateus 1:22-23 “Tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor pelo profeta, que diz: Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado pelo nome de Emanuel. (Emanuel traduzido é: Deus connosco).”

Como é óbvio, esta passagem refere-se ao nascimento de Jesus Cristo, e é-nos dado um nome que fora decretado muitos séculos antes, através da boca do profeta Isaías. O nome Emanuel significa “Deus connosco”, “Deus presente connosco”. Deus é tão maravilhoso que é um Deus presente connosco, na pessoa do Espírito Santo.

Em conexão com este pensamento de Deus vir até nós e desejar estar connosco vamos explorar a verdade da GRAÇA DE DEUS! Muitas vezes, não tiramos tempo suficiente para pensarmos na graça de Deus e esta é uma das mais belas palavras de todas as Escrituras – Graça!

GRAÇA define-se como o favor imerecido de Deus para com aqueles que não são merecedores e os maus merecedores. Não somente não merecemos o bem, como na realidade, merecemos o mal. Mas em vez de dar-nos o mal, Deus oferece-nos o bem que não merecemos, que não podemos reclamar, mas que vem simplesmente pela Sua graça.

A graça não pode ser adquirida, não pode ser merecida ou justamente ganha. A graça de Deus é gratuita, é soberana. Deus nunca nos cobra pelo que Ele faz com a Sua graça.

Deus é absolutamente livre para fazer o que quiser com a Sua graça. E devemos regozijar-nos com a graça que Ele teve para connosco pois nada mereciamos. Se Ele não desejasse fazê-lo, não precisava e nós nunca teriamos tido qualquer acusação para fazer à Sua justiça. Se Deus nunca tivesse providenciado o Evangelho, e nunca tivesse enviado Jesus Cristo, a Sua justiça nunca teria sido contestada. Ele poderia ter permitido que toda a raça humana perecesse no pecado e fosse para uma eternidade de perdição, sem uma oferta de misericórdia, e a Sua justiça teria continuado a ser perfeitamente válida.

Para recebermos graça temos de ser agradecidos. Porém, maioritariamente pedimos e pouco agradecemos. Não é de justiça que precisamos, é de graça! Sem ela não temos nada. Poucos compreendem este facto, uma vez que Deus não nos devia o evangelho, as boas novas, nem nos devia Jesus Cristo. Ele não tinha nenhuma obrigação legal para enviar Jesus Cristo ao mundo. Portanto, tudo aquilo que vem com Jesus Cristo é graça.

 

João 1:17 “Porque a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo.”

As pessoas que apreciam a graça de Deus são pessoas felizes. Frequentemente entristecemos Deus, uma vez que falhamos ao não apreciarmos, nem gozarmos a Sua graça. Muitas pessoas falam sobre ela, contudo estão demasiado ocupadas com regras e pensamentos humanos limitados. Deus alegra-se quando consegue encontrar alguém que recebe a Sua graça!

Repare que, uma condição para receber a graça de Deus é compreeendermos que não a merecemos, temo-la porque Ele é bom, porque Ele quer dar-nos. Enquanto tentamos merecê-la, Ele não nos pode dar a revelação da graça porque seria numa base falsa, e Deus não pode fazer nada nessas condições.

Algo de muito significativo aconteceu no capítulo 8 de Mateus. Um certo homem veio a Jesus porque um dos seus criados estava doente. O centurião era um homem bom, um romano pouco comum que amava o povo judeu. Os líderes religiosos dos judeus vieram a Jesus e disseram que Ele teria de fazer alguma coisa por este homem, dado que achavam que ele era merecedor já que amava a nação e tinha construido uma sinagoga. Este era o ponto de vista religioso: ele merece, agora Deus tem de o recompensar.

Todavia, a primeira coisa que o homem diz é: “Senhor, eu não sou digno…” (Mateus 8:8). E foi por isso que ele recebeu! Jesus maravilhou-se “ouvindo isso, e disse aos que o seguiam: Em verdade vos digo que nem mesmo em Israel encontrei tanta fé.” (Mateus 8:10). O centurião tinha esta fé porque não tentou merecer a graça de Deus.

Frequentemente, impedimos que a graça de Deus venha às nossas vidas porque estamos tão ocupados a tentar merecê-la, mas não podemos merecer o que é de graça. Ou recebemo-la gratuitamente ou não a recebemos.

Deus dá gratuitamente, porque Ele é um Deus de verdade, Ele não pode permitir que recebamos a Sua graça com base num príncipio falso. Se pensarmos que a merecemos, não a podemos ter. Mas se apenas a aceitarmos, ela é nossa. A melhor forma de aceitarmos a graça de Deus é agracedecer-Lhe por ela.

Todos temos uma dívida para com Deus e essa dívida é agradecer, é darmos ação de graças. Não se tente qualificar, nós não a merecemos, não eramos suficientemente bons, não temos qualquer reivindicação. Deixe esses pensamentos! Somente agradeça-Lhe, aceite, receba e alinhe-se com Deus. Apenas tenha prazer na graça.

Em Mateus 4:16 temos uma descrição do início do ministério de Jesus, na Galileia, e a citação é tirada de Isaías.

Mateus 4:16 “o povo que estava assentado em trevas viu uma grande luz; e aos que estavam assentados na região e sombra da morte a luz raiou.”

Essa luz é Jesus vindo à Terra para perdoar os pecados, curar os doentes, limpar os leprosos, expulsar demónios, falar palavras de verdade e conforto, como nenhum outro Homem foi capaz de falar.

Observe que a condição da raça humana tal como é descrita no versículo diz: “O povo que estava em trevas viu grande luz…”. E a segunda metade do versículo diz: “e aos que estavam na região e sombra da morte, raiou-lhes luz.” Imagine esta imagem, do total desamparo e falta de esperança da raça humana sem Cristo. É suficientemente mau estar-se nas trevas, mas é terrível quando as trevas se transformam em sombra da morte!

A própria palavra “estavam” significa “permanecer, residir, concordar, consentir, o que expressa de forma eloquente uma absoluta passividade ou incapacidade para mudar”. As pessoas não estavam a tentar ir a algum lado, não se esforçavam por mudar a sua situação, elas apenas “estavam” à espera da morte. Esta é a condição de toda a humanidade fora da graça de Deus. É aí que se encontram homens e mulheres, que “estão” em trevas, na região da sombra da morte. Muito raramente nós encaramos este facto. A maioria de nós, mesmo sendo cristão, não gosta de encarar a realidade da morte. Não gostam de falar dela, mas a morte é uma realidade inevitável e cruel. É o quinhão de cada pessoa que nasce. A maioria das pessoas vive a sua vida como se nunca fosse morrer, por isso quando ela chega muitos não estamos preparados.

 

A palavra “obrigado” em espanhol é “gracias”, que vem de “graça”. Este vocábulo provém do latim “gratia”, que deriva de “gratus” (grato, agradecido). De facto, sem a graça de Deus, o Homem não sabe muito acerca do que é estar agradecido. O agradecimento é uma das coisas que vem através da graça.

Em Romanos 1, Paulo diz que quando o Homem vira as costas a Deus torna-se ingrato e ímpio. Mantenha presente que a ingratidão e a impiedade andam de mãos dadas. Uma pessoa ingrata é uma pessoa impiedosa. Todo aquele que conhece Deus tem de ser uma pessoa grata.

Salmos 14:2-3 “O Senhor olhou desde os céus para os filhos dos homens, para ver se havia algum que tivesse entendimento e buscasse a Deus. Desviaram-se todos e juntamente se fizeram imundos; não há quem faça o bem, não há sequer um.”

Salmos 53:2-3 diz exatamente a mesma coisa. A ideia é reforçada. Não há nem um sequer que escape. A raça humana fez-se imunda, corrupta nos seus pecados e não busca a Deus, nasce e morre em trevas. Se alguma vez isto é diferente na vida de alguém, essa diferença é feita pela graça de Deus. De nada podemos ou devemos gabar-nos.

Quando passamos por um problema ou aflição devemos buscar a Deus e agradecer-Lhe, pois isto fará a diferença. No meio do problema é quando mais o devemos servir, buscar e agradecer.

Sempre que Deus lida com o Homem, Ele inclina-se ou debruça-se. Em Génesis diz que, Deus formou o homem a partir do pó da terra, debruçou-se sobre o homem e soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida e o homem tornou-se numa alma viva. Jesus quando veio a esta Terra debruçou-se para dar-nos vida, porque Ele é a vida.

Quando Jesus terminou o Seu ministério na Terra, completou o processo da morte humana. Ele sabia que isto seria inevitável quando começou todo o processo no Jardim do Éden.

A verdade é que o Homem nunca se chegou para Deus de forma espontânea e por sua própria iniciativa. Deus é que teve sempre de ceder e humilhar-Se. Isto tem sido verdade com cada um de nós. Nunca poderemos realmente desfrutar a nossa salvação até que comecemos a apreciar estes factos. Temos de nos render, pois a Sua graça nos basta!

Pode rever a última lição desta série no vídeo que disponibilizamos abaixo, ou ouvir o podcast em: https://anchor.fm/apantonioferreira

Phone: +351 234 308 422
3800-587 Cacia - Aveiro
Rua da Paz, Nº 263, Lote 9